Paredes de Alvenaria: Marcação, Amarração e Execução

Você quer aprender como levantar uma parede de alvenaria? Então, não deixe de conferir este artigo que ensina passo a passo como levantar paredes de alvenaria.

A construção da parede de alvenaria é feita em três etapas, que serão apresentadas a seguir: a marcação, a elevação e o encunhamento. Depois disso serão dadas as orientações para os detalhes construtivos.

Como levantar uma parede: principais passos

Primeira etapa: marcação

A marcação é a execução da primeira fiada da alvenaria. Para isso, são recomendados os passos a seguir.

Conferir a modulação

Modulação é a compatibilidade (casamento) entre as dimensões da parede que vai ser construída com as dimensões do componente (tijolo ou bloco). É desejável que o componente caiba na dimensão da parede sem necessidade de quebras ou enchimentos. Para fazer essa verificação devem-se enfileirar os componentes no piso, sem argamassa, acomodando-os no trecho de parede que será executada, com juntas (espaços entre eles) de aproximadamente 1 cm.

Lembre-se que os componentes são comercializados em diversas dimensões e também existe, no caso dos blocos, o meio-bloco, isto é, um bloco com metade do comprimento do bloco inteiro. Isto é feito exatamente para facilitar a modulação.

As características do projeto e da obra é que vão determinar o que é melhor.

Se for uma obra de maior porte, o mestre de obras, juntamente com o responsável técnico, é que devem decidir e orientar na execução.

Definir as juntas

Outra coisa importante na modulação das alvenarias é a definição do tipo de junta entre as fiadas e os componentes. Pode-se usar a chamada “junta amarrada”, em que cada fiada fica defasada meio comprimento do tijolo ou bloco em relação à fiada de baixo, ou a “junta a prumo”, em que todas as juntas ficam alinhadas (veja o desenho a seguir). A primeira é a mais comum e é recomendada, pois causa um travamento dos componentes, o que favorece muito o aumento da resistência da parede. A junta a prumo é usada em condições especiais, quando a alvenaria fica aparente e pretende-se conseguir um efeito visual, sendo necessário, no entanto, alguns reforços, para evitar trincas nas juntas. É possível ainda usar diversos outros tipos com diferentes efeitos, como mostra o desenho a seguir.

Tipos de juntas alvenaria

Assentar a primeira fiada

Depois de verificada a modulação, inicia-se o assentamento da primeira fiada. O local deve estar completamente limpo (muito bem varrido) e molhado. Os tijolos ou blocos devem ser também previamente molhados (não encharcados), pouco antes do assentamento.

O assentamento deve ser iniciado pelos cantos, espalhando-se uma camada de argamassa no piso com a colher de pedreiro.

A espessura dessa camada normalmente é maior que as das demais (mais de 1 centímetro), para acertar o nível da primeira fiada, pois o piso sempre tem alguma irregularidade. Para isso é conveniente verificar o nivelamento do piso, com a mangueira de nível, para já se saber de antemão qual será a espessura aproximada da camada.

Cada bloco, depois de assentado, deve ter seu alinhamento, nível e prumo conferidos. Para isso devem ser usados a régua e o nível de bolha (veja no desenho e, no final, quais são as ferramentas do pedreiro). O ajuste do bloco na posição correta é feito com pequenas batidas com o cabo da colher de pedreiro. Veja o desenho:

Levantando a primeira fiada na alvenaria

Segunda etapa: elevação

Inicia-se pelos cantos, executando-se primeiramente o início e o fim de algumas fiadas, o que se chama “castelo”. As fiadas dos castelos servirão de base para o alinhamento das fiadas da parede.

Para o controle das alturas das fiadas do “castelo” deve ser usado o “escantilhão”, que é uma haste de madeira, ou haste metálica, apoiada no piso, onde são previamente marcadas as alturas das fiadas, como mostram os desenhos.

Para o controle das alturas das fiadas do “castelo” deve ser usado o “escantilhão”, que é uma haste de madeira, ou haste metálica, apoiada no piso, onde são previamente marcadas as alturas das fiadas, como mostram os desenhos. A elevação do castelo deve ser feita observando-se a planeza da face da parede (com a régua), o nível e o prumo de cada bloco assentado. Para a conferência escolhe-se um dos lados da parede, sendo que se a parede for externa, deve ser escolhido o lado externo.

Depois de executados os castelos, preenche-se o interior das paredes, fiada por fiada. Para o alinhamento das fiadas usa-se uma linha-guia, presa em pequenos pregos fixados nas extremidades de cada fiada, nos castelos, como se observa no desenho.

Castelo e escantilhão alvenaria

A argamassa deve ser estendida sobre a superfície da fiada anterior e na face lateral do bloco ou tijolo que será assentado. A quantidade de argamassa deve ser suficiente para que um excesso seja expelido quando o bloco for pressionado para ficar na posição correta. Esse excesso deve ser raspado e pode ser reutilizado. Ainda que as linhas-guia facilitem bastante o controle do alinhamento, do nível e do prumo, a cada 3 ou 4 fiadas, no máximo, deve ser conferida a planeza, o nível e o prumo da parede. O prumo agora deve ser conferido com o fio de prumo, em 3 ou 4 posições ao longo da parede, como mostram os desenhos. Recomenda-se a elevação máxima, num dia, de meio pé-direito, ou uma altura entre 1,20 e 1,50 m aproximadamente.

A técnica vista é a utilizada para o assentamento com argamassa convencional, feita na obra com cimento, cal e areia, como você aprendeu. Como já foi dito anteriormente, podem-se usar argamassas industrializadas e, nesse caso, as técnicas de assentamento podem ser diferentes, como por exemplo, a técnica em que se utilizam bisnagas, entre outras. Isso não será abordado nessa postagem.

Levantando parede alvenaria

Terceira etapa: encunhamento

O encunhamento é a ligação entre o topo da parede de alvenaria e a viga ou laje de concreto armado que se situam acima, que ocorre em paredes de vedações de edifícios de mais de um pavimento que são feitos em estruturas de concreto armado. A técnica mais comum é o encunhamento com tijolos comuns, assentados inclinados e pressionados entre a última fiada e a viga ou laje superior, como pode ser visto no desenho. Podem ser utilizadas também cunhas pré-moldadas de concreto, ou então uma argamassa com expansor.

Encunhamento com tijolo maciço

Para evitar esforços não previstos nas alvenarias, principalmente em edifícios altos, o encunhamento deve ser feito somente depois de executada a elevação do último pavimento, iniciando o encunhamento por este último andar e descendo- se na direção do térreo.

Dependendo também das definições adotadas no projeto estrutural do edifício, podem ser adotadas outras técnicas que substituem o encunhamento, como a fixação (feita somente com argamassa) e a ligação flexível, feita com produtos elásticos. Deve ser observado o que está definido no projeto sobre este assunto.

Detahes construtivos

Ligação entre paredes e entre paredes e pilares: quando há um encontro entre duas paredes de alvenaria deve haver uma ligação entre elas, pois caso contrário poderá ocorrer uma trinca entre as duas.

Há duas formas de se fazer isso. A primeira é “amarrando” ou cruzando os blocos das duas paredes. Essa técnica, embora bastante eficiente do ponto de vista da rigidez da ligação, dificulta a modulação, dependendo das dimensões dos ambientes e dos componentes.

A outra forma, mais prática e hoje mais utilizada, é fazer as paredes sem amarração dos componentes (uma encosta simplesmente na outra) e, a cada duas ou três fiadas são inseridas pequenas barras de aço nas juntas, dentro da camada de argamassa, ligando as duas paredes. Essa ligação pode ser feita também através de tela metálica, como se vê nos desenhos.

Amarração parede de alvenaria

A ligação também precisa ser feita quando a parede encosta num pilar, a fim de evitar uma trinca ou fissura entre os dois. Também nesse caso costuma-se usar pequenas barras de aço inseridas no pilar e na junta da alvenaria (chamadas também de “ferros-cabelo”), ou a mesma tela metálica citada no item anterior, parafusada no pilar.

Amarração entre pilar e parede de alvenaria

Vergas e contra-vergas

São pequenas vigas de concreto armado, que devem ser feitas em cima e em baixo das aberturas da alvenaria, como vãos de portas e janelas, para evitar trincas nos cantos desses vãos. Devem avançar no mínimo 20 em de cada lado do vão, e ter pelo menos duas barras de aço de diâmetro de 5 mm. A altura pode ser de 5 cm, ou mais alta, para combinar com a modulação dos componentes. As vergas e contravergas podem ser feitas também usando-se o próprio componente da alvenaria (blocos canaletas preenchidos com concreto e com barras de aço no seu interior), ou podem ser pré-moldadas na própria obra, como é mostrado nos desenhos.

Verga e contraverga

Fixação de esquadrias

Para a fixação de esquadrias (portas e janelas) de madeira nos vãos da alvenaria, a técnica mais comum é a utilização de tacos de madeira embutidos na alvenaria, a cada 80 cm de altura, aproximadamente. A fixação das esquadrias é feita parafusando-se os batentes das portas e janelas nestes tacos (veja os desenhos). Usa-se também, atualmente, a fixação de batentes de madeira com preenchimento do vão entre o batente e a parede com espumas expansoras.

Janelas e portas de ferro normalmente são fixadas através do chumbamento de grapas do tipo “rabo de andorinha”, que já vêm soldadas nas esquadrias.

Neste caso abre-se um pequeno buraco no vão onde será colocada a grapa, e coloca-se a esquadria com a grapa dentro do buraco, preenchendo-o depois com argamassa de cimento e areia, no traço 1:3.

Batentes e chumbadores

Para janelas ou portas de alumínio, a fixação é feita através de chumbamento ou aparafusamento de marcos na alvenaria e nestes marcos são parafusadas as esquadrias.

Embutimento de instalações

A forma mais tradicional de se embutir as instalações em alvenarias de vedação é através do corte da parede, com posterior preenchimento com argamassa. Para evitar desperdícios e perda de resistência da parede é necessário atender às recomendações que se seguem.

Os tijolos comuns resistem melhor aos cortes, ao passo que os furados são mais frágeis e costumam estilhaçar, causando grandes rombos na parede. Por isso, devem-se usar tijolos comuns em paredes ou trechos de paredes onde serão embutidas as tubulações de maior diâmetro, como as de banheiros, que concentram tubulações hidráulicas. É recomendável também riscar previamente a parede, demarcando- se com precisão os cortes e fazendo-os com disco de serra diamantado.

Podem-se também usar alternativas onde se evita o corte das paredes, como o uso de folgas nas alvenarias.

Outra solução bastante interessante e que deve ser utilizada é passar as tubulações nos furos dos blocos. Para as instalações elétricas, por exemplo, que são de pequeno diâmetro e existem em todas as paredes, isto pode ser feito sem nenhuma dificuldade. Basta que o eletricista acompanhe a execução da alvenaria, passando as tubulações na medida em que a parede vai sendo elevada. O chumbamento de caixas para interruptores e tomadas também pode ser feito previamente nos blocos. Assim, os blocos previamente preparados são colocados na alvenaria nas posições correspondentes às caixas de tomadas e interruptores. Veja o desenho.

Embutimento de tubo hidráulico e instalação elétrica em paredes de alvenaria

  • http://www.arkdesign.com.br/ Gabriel

    Muito bom este manual. Esclarece muitas dúvidas…
    valeu!

  • Amarração Amorosa

    Boa noite,

    Estava pesquisando na internet a respeito do assunto e encontrei este artigo. Me ajudou bastante. Obrigado.

  • vanderlei m.b

    Muito bom o manual.